Eu sou o caminho, a verdade e a vida

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Jo 14, 1-12

«Eu sou o caminho, a verdade e a vida»

Jesus apresenta-se como caminho, verdade e vida. Esta explicita
ção segue-se às dúvidas de Tomé, quanto a saber o caminho por onde seguir. Cada um de nós, na sua existência e nas suas interrogações mais interiores procura, afinal, um caminho, uma verdade, uma vida. Jesus é em Si próprio, esta estrada. Não é solução rápida e pré-fabricada, não é verdade matemática e meramente racional, não é elixir de vida. Jesus é caminho. Jesus é processo. O que nos acontece, numa espécie de via de teologia negativa, é que seguimos, inúmeras vezes, outros caminhos, outras verdades e outras vidas. E não é nenhuma moral mas a própria vida e os impactos (des)consolantes, que nos acordam e nos lançam no respirar existencial dos recomeços, isto é, das nossas páscoas…

JP in Espiritualidade Frases 10 Maio, 2020

fazendo-me

Fazendo-me…

Sou um Homem

a fazer-se,

uma bilha em enchimento.

Sou um processo

em aberto,

ventoinha em movimento.

sou um livro

que se abre.

Sou escutante

de um recado.

Sou errante

procurante,

quando páro,

sou buscado.

Sou vivente

agradecido.

Sou morrente

renascido.

JP in Poemas 6 Maio, 2020

Ressureição como processo

A Ressurreição é muito mais do que um acontecimento. É um processo… Mais do que exterior – embora seja dádiva – importa a ressurreição que vem de dentro… Entendemos a maioria dos processos quando os tomamos por ontológicos. O mais crucial da fé cristã é que Jesus está a ressuscitar em nós…

JP in Espiritualidade Frases 4 Maio, 2020

Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Jo 10, 1-10

«Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância»

A liturgia enfatiza Jesus como Mestre e guia, como o (Bom) Pastor do rebanho, que somos nós. Contrariando alguns vestígios desinteressantes na catolicidade de erratismo no amor de Deus, aqui se evidencia que Deus, é só e só mesmo um Deus de vida. Ele quer que tenhamos vida. Não uma vida qualquer, não “uma vida e pronto!” mas uma vida de abundância. A vida de abundância representa também a vitória sobre a morte, experimentada pelo próprio Jesus. A nossa vida tem um potencial de espelhar a abundância que Jesus quer para nós. Pode ser um excelente programa de vida fazer do tempo, do espaço e dos nossos gestos escritos em cada segundo e em cada metro quadrado, sinais da abundância amorosa para com todos.

Pode ser mais difícil ver ou experimentar esta abundância nos tempos que vivemos. Mas notemos, por exemplo, a abundância de valor da vida que se respira, com a atenção aos mais frágeis, colocados em primeiro lugar, antes de muitos outros interesses? A abundância de vida é um franco e óbvio sinal da abundância de Deus…

JP in Espiritualidade Frases 2 Maio, 2020

Teletrabalho em pós-pandemia: uma verdadeira oportunidade para o b-work

Artigo saído no Público a 28 de abril de 2020

Leitura direta em:

https://www.publico.pt/2020/04/28/opiniao/opiniao/teletrabalho-pospandemia-verdadeira-oportunidade-bwork-1914066

Há um conceito no jargão educativo que nos poderá ajudar a situar: blended learning (b-learning). A palavra blended (mistura) tem origem na junção de líquidos em sede de fabricação de whisky. Do ponto de vista do ensino-aprendizagem, há muito que se reflete e vai praticando a salutar mistura entre dinâmicas presenciais e atividades mediadas digitalmente. Esta pandemia forçou práticas (ou aproximações) de e-learning “puro”, que poderão vir a constituir rotinas de boas e equilibradas misturas, adiante, nas nossas escolas e universidades.

Do ponto de vista laboral, a circunstância atual precipitou dinâmicas de teletrabalho, que surpreenderam muitos trabalhadores, patrões e organizações.

A retoma gradual das condições sociais e laborais trará excelentes oportunidades de blended-work (b-work), mistura de trabalho em casa, mediado teledigitalmente, com trabalho presencial, num local de congregação organizacional. Face a estes desafios, convém ter em conta:

1. Sem autonomia responsabilizante não há bom teletrabalho…

É preciso que se abandonem as lideranças infantilizantes, que não confiam nos colaboradores e insistem nas práticas de gestão focadas na monitorização instrumental, senão mesmo em certo policiamento. Há que delegar, confiar e avaliar, pedindo responsabilidade e medindo produtividades.

Donos de empresas e líderes de organizações podem e devem ampliar as suas práticas e corrigir alguns vícios, gerando mais confiança e menos controlo, no sentido estrito do tempo. Todos nós nos apercebemos de pessoas que se deram muito bem com as práticas de teletrabalho nesta crise, mantendo os níveis de produtividade e, em muitos casos, ampliando-os.

2. Cada trabalhador é um caso…

O pior que poderia acontecer a um processo de abertura a b-work era industrializá-lo. Na verdade, cada caso é um caso. Haverá perfis que se não dão com o teletrabalho: conheço casos, principalmente no feminino, que preferem separar as águas e viver no regime ‘trabalho é trabalho, casa é casa’. No outro extremo, existem pessoas que se dão maravilhosamente com o trabalho a partir de casa: são gente normalmente muito metódica e organizada que concilia e alterna com tranquilidade os planos laboral, familiar, doméstico e quotidiano. Depois há situações híbridas, que preferem precisamente a mistura e se dariam muito bem com esquemas mistos um, dois ou três dias em casa e o resto na organização, fisicamente. Poder-se-ia ainda colocar a questão dos trabalhadores, funcionários públicos e não só, a quem se não vê perfil de autonomia, com tendência para o ser esguio e irresponsável, do tipo quanto menos melhor. A questão é complexa mas poderemos especular que um encostado será sempre um encostado, presencialmente ou virtualmente. E pode haver surpresas de produtividade, se não no curto prazo, no médio ou longo, ao ensaiar confiança a quem aparentemente não a merece.

3. A ocasião gerou competências novas

Não há qualquer dúvida que o confinamento gerou competências que pareciam adormecidas. As questões técnicas facilitaram-se: troca de ficheiros e manipulação digital, plataformas de reuniões como o Skype ou o Zoom, autoaprendizagem de procedimentos processuais e buscas em ambiente virtual, etc. Advinha-se melhor ainda com possíveis benfeitorias técnicas (largura de banda, sistemas áudio e vídeo, etc.). Por outro lado, houve também uma autopromoção da gestão dos tempos e de muitos procedimentos de autodisciplina de cada um dos cidadãos retidos em casa (turnos para gestão doméstica e de tomar conta dos filhos, necessidade endógena de rotinas, etc.).

4. É preciso portas abertas, do lado da legislação e dos políticos

Nada será possível sem um quadro legal (também ele mais aberto a dinamismos de confiança nas relações laborais) e sem incentivos políticos a estas oportunidades. No funcionalismo público, em particular, as chefias precisarão de lastro legal para ampliarem as suas delegações, como, de resto, aconteceu, no sentido amplo, durante esta pandemia. Também os sindicatos poderão participar nesta abertura, quer pela via de colocarem o assunto na agenda, quer também se compreenderem que o b-work, não implica uma total desregulação e terá de manter claros, a par dos direitos, os deveres dos trabalhadores, agora em formatos mais flexíveis.

5. Oportunidade de alívio na pressão urbana

Há consequências óbvias de alívio de alguma pressão urbana. Desde logo no trânsito (imagine-se Lisboa ou Porto sem um terço do tráfego ordinário…). A ponderar, também, a diminuição de emissão carbónica, de acidentes, de tensões no quotidiano social. Poderia haver condições para habitar zonas mais rurais, ou nas cinturas urbanas mais distantes das grandes cidades ou mesmo em regiões absolutamente interiores, se a componente laboral digital assumida fosse em grandes proporções. Oportunidades de regresso à Terra, no melhor dos sentidos.Trabalhadores mais felizes e emocionalmente equilibrados produzirão mais e melhor, deprimirão menos e ampliarão os potenciais de identidade e corporeidade das organizações. A sociedade será melhor e mais justa…

6. A vida pessoal e as dinâmicas familiares podem agradecer

Todas estas circunstâncias possibilitam igualmente uma revisão e uma requalificação de muitas relações (do eu com o eu, do eu com o tu e do eu com os outros). Como bastantes pessoas foram ensaiando nesta quarentena (porventura não desse logo, no início, mas gradualmente), o teletrabalho tem um potencial de otimizar momentos e encontros vários…

Por isto mesmo a produtividade tem de ser vista num nível mais profundo, que contemple mas ultrapasse a mera métrica contabilística do número de objetos produzidos. Trabalhadores mais felizes e emocionalmente equilibrados produzirão mais e melhor, deprimirão menos e ampliarão os potenciais de identidade e corporeidade das organizações. A sociedade será melhor e mais justa…

Está nas nossas mãos, enquanto sociedade, aproveitar para inovar estilos de vida e de trabalho. Há que concretizar a máxima, muito badalada mas nem por isso banal: fazer de uma crise uma oportunidade.

O autor escreve segundo o novo acordo ortográfico

Professor na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

JP in Textos 30 Abril, 2020

nada é grave

“nada é grave” poderia ser um pulsar existencial, um mantra, um respirar interior. Em rigor, vivemos e vamos treinando essa atitude. No limite, poderemos, moribundos, morrer como vivemos, fruindo esse segredo e essa prática: “nada é grave”…

JP in Frases 28 Abril, 2020

pensando que era o jardineiro

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Lc 24, 13-35

«pensando que era o jardineiro»

Um dos traços comuns das aparições de Jesus é o facto de Ele aparecer, muitas vezes, “disfarçado”. É o caso do diálogo travado com Maria Madalena. Ela julga estar a falar com um jardineiro e com ele desabafa o seu desalento e a sua preocupação. É questão teológica curiosa e complexa esta de um Deus que quase se esconde. Revelar, aliás, é ir tirando o véu… Traduzível na vida dos cristãos é a pergunta metafórica: quantos jardineiros se atravessam sem que os vejamos, anunciando a ressurreição?

JP in Espiritualidade Frases 26 Abril, 2020

cresceremos todos

Em tempos pascais de pandemia global e de desafio universal de maturação coletiva, brotante da fragilidade humana, seria uma boa síntese da esperança cristã e da ressurreição o seguinte lema: “cresceremos todos!”.

JP in Frases 24 Abril, 2020

vergo-me

Vergo-me

 

Vergo-me

em silêncio

face

ao espectáculo

da dor.

Tiro sandálias

engulo sílabas

verto lágrimas

… e páro!

Fico,

em silêncio,

cravado

onde estou.

Todo inteiro,

agarrado.

Abraço

aquele tempo,

tão instante

quanto eterno

… e permaneço,

vergado,

… em silêncio!

 

28 de Janeiro de 2011

JP in Espiritualidade Poemas 22 Abril, 2020