tensão entre identidade e abertura: notas para (tentar) um equilíbrio

A crítica, por vezes feita, de que certos ambientes inacianos funcionam por grupinhos, por isso mesmo fechados e impenetráveis deve merecer muita atenção. Há muitos nós que convém desatar, entre elites e elitismos, grupos e grupinhos, estilos e mesmismos.

 

J. C. Paiva, Tensão entre identidade e abertura: notas para (tentar) um equilíbrio. Site PontoSJ. 2 de julho de 2019. Disponível em

 

Tensão entre identidade e abertura: notas para (tentar) um equilíbrio

 

Há uma certa tensão entre diferentes carismas e formas de ser em Igreja. Não é apenas próprio dos nossos dias mas bem patente ao longo de toda a história. Em conversas mais ou menos explícitas, mais ou menos públicas, emergem comentários, tipicamente irónicos, sobre um qualquer fechamento deste ou daquele grupo eclesial.

Arrumando para mim próprio algumas ideias, e partindo da espiritualidade inaciana vivida na Comunidade de Vida Cristã (CVX), que se alimenta da mesma fonte dos jesuítas, gostaria de clarificar alguns pontos de vista:

1- A existência de diferentes carismas na Igreja é, definitivamente, uma riqueza. A unidade que se procura, mandato evangélico, aliás, é sempre uma unidade na diversidade. Quando se confunde unidade com uniformidade, empobrece-se a visão, a vida e o horizonte da Igreja. O Papa Francisco sublinha bem este aspeto quando, em EG 236, nos diz que “o modelo [da Igreja] é o poliedro, que reflecte a confluência de todas as partes que nele mantêm a sua originalidade”.

2- Unidade e diversidade constituem sempre uma tensão difícil de gerir. Se a uniformidade é uma caricatura da unidade, a ausência de pontes e tentativas de diálogo e colaboração carismáticos são também, por um outro lado, um não caminho.

3- No caso de algumas dinâmicas associadas à Companhia de Jesus, há acusações de elitismo. É sempre bom notar que apontamentos de elite, no sentido de procurar ‘o mais’, são virtuosos. Formação exigente e profundidade, por exemplo, quer para leigos quer para consagrados, são inegociáveis na espiritualidade inaciana. Já o elitismo, que, escrevendo curto e grosso, se pode confundir com ‘ter a mania que se é bom’, é inequivocamente desinteressante. Notar que algumas das ditas acusações de elitismo podem ser injustas e nascer do preconceito ou da simples agenda de bombardear, como arma de arremesso.

4- Outro apontar de dedo que pode merecer reflexão autocrítica é um certofechamento. Aqui, a atenção deve ser muito cuidada: uma Igreja apostólica, mais ainda neste tempo em que se refunda como estando ‘em saída’, não pode senão ser porosa e aberta. Assim, sem secretismos nem sectarismos, nem esquemas ocultos, se pode pautar cada carisma.

5- Mas não elitismo e abertura não implicam um mesmismo descoloridonem a ausência de exigências e esquemas próprios de cada caminho. A CVX, em particular, que se tem vindo a estabelecer num processo de afirmação vocacional na Igreja, tem uma vinculação aos Exercícios Espirituais, a um sentido de compromisso e a uma integração regional, nacional e internacional, que ultrapassa o pequeno grupo, de que não pode prescindir. Seria ingénuo admitir que, para ser aberta, a CVX deveria ser o espaço de toda a gente ou mesmo de toda a gente laica de espiritualidade inaciana. Há muitos caminhos, como sabemos, e o importante é cada um estar onde é livremente fecundo, sempre muito consciente de que se não é melhor que ninguém, apenas diferente.

6- A porosidade da CVX, por exemplo, enquanto carisma que caminha na procura comunitária de uma síntese entre a oração e a vida, revela-se no quotidiano dos seus membros e na abertura radical ao outro, em tudo o que se vive, em tudo aquilo em que se participa, dentro ou fora da Igreja.

7- Quando se comenta que os jesuítas (ou a CVX, equivalentemente) deveriam ajudar mais nas paróquias, ou colaborar mais com certos movimentos, ocorre-me o seguinte:

a) seria discutível participar em colaborações intercarismáticas ou pluriparoquiais apenas por motivos estéticos ou moralistas (porque deve ser…), se isso comprometer a eficácia (não a estatística mas a essencial, isto é, a eficácia da fecundidade...);

b) a deslocalização extrageográfica das paróquias é desde logo um argumento muito dinâmico e complexo (e que tem merecido reflexões profundas);

c) o diálogo entre os diversos movimentos e a eventual colaboração aqui e ali são de assinalar, mas não podemos esquecer que há estilos próprios de planear, empreender e avaliar, que resultam em modos específicos de cada carisma e que são precisamente a riqueza da Igreja, como na proveitosa metáfora das diferentes flores de um jardim;

d) indo um pouco mais longe, pessoalmente, quando me envolvo em alguns desafios de ordem eclesial, tento procurar pessoas com quem tenho afinidade de estilo e certa compatibilidade conceptual e de ação. O importante, mais uma vez, é que não me ache superior a ninguém

e) nada do que está escrito acima desincentiva a que as pessoas de espiritualidade inaciana (jesuítas incluídos) participem e colaborem com múltiplas atividades fora do seu carisma, assim tenham agenda, disponibilidade e sentido de poderem ser úteis, avaliando se não caem em dispersões discutíveis, bem entendido. Dizer que sim porque sim, ou dizer que sim por cerimónia de evitar dizer que não, nunca foi recomendável… É preciso, bem entendido, discernimento apostólico, procurando eleger o que mais serve, em cada desafio.

8- A crítica, por vezes feita, de que certos ambientes inacianos funcionam por grupinhos, por isso mesmo fechados e impenetráveis deve merecer muita atenção. Há muitos nós que convém desatar, entre elites e elitismos, grupos e grupinhos, estilos e mesmismos. Se num espaço inaciano (CVX, centro universitário, evento, etc.) há uma constância uniforme de modos de falar, trajes, nomes de família e outras exterioridades, os alarmes devem tocar. Aí sim, definitivamente, cheira a gente que se não deixa tocar e interpenetrar e que, porventura, se acha melhor do que alguém… Aí, não há Igreja!

JP in Espiritualidade 10 Julho, 2019

Igreja e sinal eficaz

A Igreja, no seu confronto autocrítico sistemático, tem de se atravessar constantemente na pergunta: estamos a ser instrumento de sinal eficaz de Cristo para o mundo?

JP in Espiritualidade Frases 8 Março, 2019

«Na verdade, todos nós – judeus e gregos, escravos e homens livres – fomos baptizados num só Espírito para constituirmos um só corpo»

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se 1 Cor 12, 12-14.27

«Na verdade, todos nós – judeus e gregos, escravos e homens livres – fomos baptizados num só Espírito para constituirmos um só corpo»

A carta de Paulo aos Coríntios pode ajudar-nos a valorizar os nossos sentidos de pertença, seja a uma Igreja, seja a uma família, seja a uma outra organização. Há um primeiro sentido de convite à universalidade e abertura a todos (judeus e gregos, poderiam ter hoje outros nomes, como “betinhos” e “rurais”, por exemplo). A procura da unidade (um só corpo) na diversidade, convém tomar consciência, tem um preço e um custo. Mas tal procura de sentido de corpo (e um só corpo!) pode ser um novo sentido também pessoal e existencial. Ser sozinho, sem corpo e sem pertença, pode ser quase não ser…

JP in Espiritualidade Textos 26 Janeiro, 2019

autoridade, condução e acompanhamento

A autoridade não é desprezível em todos os dinamismos humanos. Sabemos que o cerne da autoridade, porém, é a autenticidade e a inteireza. Em termos espirituais (e isto é relevante para a Igreja) é discutível a metáfora da ‘condução’, pela pedagogia pobre e dirigista que encerra. Para a (recomendável) prática da entreajuda espiritual, é bem melhor a colocação de “acompanhamento espiritual” do que a de “direção espiritual”. Na primeira trabalha o Espírito e na segunda manipula a criatura…

JP in Espiritualidade Frases 14 Dezembro, 2018

«peço sempre com alegria por todos vós» 

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se II Filipe 1, 4-6.8-11 
«peço sempre com alegria por todos vós»

 

Paulo, apóstolo enérgico, vital, empreendedor e mobilizador (nem por isso imaculado e sujeitável a um olhar histórico-crítico…), empresta-nos nesta carta à comunidade dos filipenses um verdadeiro sentido do “nós”. Viver, estar e ser em Igreja, tem um potencial de autodescentramento, de nos polarizar num crescimento comum. Rezamos “Pai nosso…” e não “Pai meu…” e, isso mesmo, é símbolo de um convite mais coerente e amplo para uma vida espiritual comunitária. Rezarmos uns pelos outros é diferente de ‘pedinchar’. Na linha de Paulo, será pedir e contribuir para o dom da alegria de cada um, em todas as  circunstâncias. Rezar pelos outros é pedir desde logo a abertura para que as minhas mãos os beneficiem e sejam mãos capazes de aliviar jugos e promover esperanças.

JP in Espiritualidade Textos 8 Dezembro, 2018

salvação fora da Igreja…

Já foi entendido em Roma que “não há salvação fora da Igreja”. O Concílio Vaticano II corrigiu esse enorme lapso e abriu porta à explicitação eclesial de que a Igreja não se confunde com o Povo de Deus, que é mais amplo. E não há evidência mais paradoxalmente identitária para a Igreja do que esta mesma, de quem se reconhece veiculante de um tesouro, mas aberta a um tesouro que a transcende…

JP in Espiritualidade Frases 12 Novembro, 2018