ele ficou ressentido e não queria entrar

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Lc 15, 1-32

«Ele ficou ressentido e não queria entrar»

A parábola do filho pródigo é muito rica e permite múltiplas abordagens para nos fazer reflectir e crescer. Centremo-nos na pessoa do irmão do filho pródigo: a sua reacção é natural e todos nós temos um pouco da lógica deste irmão ressentido. Quantas vezes achamos injusto que aquela pessoa tão rude tivesse tantos benefícios… Quantas vezes pensamos ser injusto a saúde ou a vida fugir a “gente boa”, deixando outras pessoas “menos boas”, segundo os nossos critérios, sorrindo ao sol? Mas, mais subtil e auto-provocador, é o facto deste filho mais velho ser um ‘bem comportado’ (talvez “fosse à missa”, num linguajar contemporâneo). Ele ‘fazia bem’, mas ‘não fazia o Bem’, por isso, não queria entrar…

JP in Espiritualidade Frases 14 Setembro, 2019

Insuficiente

Insuficiente

Amei-te
insuficientemente,
com boa vontade.
A possível tangente,
raio de um
Sol maior.
Fiquei aquem
mas assim,
também,
dando o meu
melhor,
naquele instante,
naquela idade.
Vás tu
mais além,
porém,
se é que te dei
a liberdade.
Que a plenitude
contém
mediocridade.
Plenitude,
aliás,
não é tudo
mas contém
totalidade…

 

2019

JP in Poemas 30 Julho, 2019

quem é o meu próximo?

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Lc 10, 25-37

«quem é o meu próximo?»

A réplica do doutor da lei, quando Jesus invocou o antigo mandamento (“…e ao teu próximo como a ti mesmo”) é uma pergunta que nos pode server como revisão existencial continua: “Quem é o meu próximo?”. Na teoria, conhecemos já a resposta, sabiamente transmitida por Jesus na parábola do bom samaritano. Mas, na prática, quantas vezes nos esquecemos dos nossos próximos?… Em particular, como pessoa religiosa, pergunto-me: quantas vezes há envolvimento em heroicas missões apostólicas e esquecemos os que vivem em nossa casa, no nosso bairro ou no nosso trabalho, precisando de nós?…

JP in Espiritualidade Frases 14 Julho, 2019

fé cristã

De quando em vez, vale a pena atualizar o esforço de tentar dizer em poucas palavras a nossa fé cristã. Por exemplo: “arriscar apoiar-se vivendo na base de um Deus-Amor, revelado em Jesus, em imersão comunitária”.

 

JP in Espiritualidade Frases 14 Março, 2019

Agora permanecem a fé, a esperança e a caridade; mas a maior de todas é a caridade

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se 1 Cor 12, 31

«Agora permanecem a fé, a esperança e a caridade; mas a maior de todas é a caridade»

As “trilogias” no cristianismo são muito frequentes (desde logo a centralidade no Pai, no Filho e no Espírito Santo…). Fixemo-nos nesta tão conhecida do apóstolo Paulo, “fé, esperança e caridade”. Para melhor ajuste linguista contemporâneo, podemos “traduzir” caridade por amor, e tomar esta tríade como verdadeira lupa de avaliação crítica e modo de ação. A pergunta crucial: nas minhas relações, cresce a fé, a esperança e o amor? na minha família, cresce a fé, a esperança e o amor? na minha vida, cresce a fé a esperança e o amor?… sabemos, sentimos e experimentamos, que muitas vezes, nos falta fé e esperança. Mas o ‘maior de tudo’, sempre possível de ensaiar, é o amor…

JP in Espiritualidade Textos 2 Fevereiro, 2019

«amarás o Senhor teu Deus. Amarás o teu próximo» 

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Mc 12, 28b-34
«Amarás o Senhor teu Deus. Amarás o teu próximo»

Os mandamentos do amor a Deus e ao Homens são o cerne da fé judaico-cristã e são invocados com frequência como o terreno firme da religião. Pela negativa, dir-se-ia que a religião se afasta tanto mais do seu trilho quanto mais secundariza este ideário. Destacam-se dois amores (canções de Marco Paulo à parte…): a Deus e ao próximo. Mas podemos focar-nos num ‘terceiro amor’, implícito nesta passagem, sem o qual não há eficácia amorosa: o amor a si mesmo. A intenção seria amar o outro como a mim mesmo. Portanto, sem nos amarmos a nós mesmos, não poderemos amar a Deus e aos irmãos. Temos aqui algum lastro da autoestima, do conhecer-se (e aceitar-se) a si mesmo. Não é narcisismo porque tem finalidade mais ampla, sempre fora de mim, mas contando comigo e com o abraço de acolhimento e validação que consigo dar a mim mesmo… este abraço dado, reconhece-se oferecido … e a isto os crentes chamam Graça.

JP in Espiritualidade Textos 4 Novembro, 2018

Filho de um acto de amor

FILHO DE UM ACTO DE AMOR

Bates… porta

da vida

com dor.

Não falas,

ouves

sentes

o meu clamor.

Ecuta:

és filho

de um acto

de Amor.

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas 2 Julho, 2018

Oceano de bem estar

OCEANO DE BEM ESTAR

O oceano

de bem estar

deixa atónita

a razão de ser

de tanta felicidade.

Vive-se sem perguntar

o mundo belo

duma aventura bonita.

Está-se leve mas

consciente,

apostado nos dois

mas aberto ao mundo!

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

 

JP in Poemas

Esta noite

ESTA NOITE

Esta é a noite

difícil e bela

em que mesmo que pudesse

não dançaria contigo.

É a noite em que te perco

e ofereço o meu

gemido de alegria.

Esta noite é dura e bela

é a noite do amor.

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas