unidade na diversidade

Definitivamente, a unidade faz-se na diversidade. O caminho será sempre pluri-identitário. O monocronismo uniformista pode ser tentador mas não subtrai apenas à estética do belo pluriforme, acabará também por esbarrar com a liberdade sagrada de cada ser…

JP in Educação Espiritualidade Frases 28 Setembro, 2022

para castigo, tiro-te a internet…

Sabemos que muitos pais ou professores castigam os seus filhos ou alunos proibindo-os de usar a internet. Percebe-se a preocupação: redes sociais,  sítios suspeitos, jogos fúteis, tempo excessivo em frente ao computador e outras tentações, são um desafio fácil para os filhos e difícil para os educadores… Mas há que aceitar que proibir hoje alguém de usar a internet seria equivalente a proibir ontem alguém… a ler livros… Há ainda que discutir os frutos dos ditos castigos. Podem funcionar a curto prazo, mas terão frágil eficácia no futuro. É fácil adivinhar que, daqui a uns anos, tais jovens de hoje, sem a pressão e a trela dos educadores, mais livres, se dispersarão na Web, em duvidosa autonomia. Já sabemos desse difícil e desafiante mundo educativo: o crescimento pessoal estabelece-se muito mais com mudanças interiores do que com condicionamentos externos… Mas isto é teoria (educativa). O resto – e o mais importante – é criativa ação pedagógica.

JP in Educação 2 Setembro, 2022

esperar que me perguntem…

Há propósitos que tenho há muito tempo e que tenho dificuldade em praticar. Um deles é este, bastante simples: esperar que o outro pergunte… Quando me distraio, não cumpro este propósito e estou a responder antes de me perguntarem…

JP in Educação Frases 24 Junho, 2022

dificuldade e caminho…

A ideia de que a vida é fácil, muitas vezes vertida em teorias e práticas educativas, é de sacudir. Claro que também não ajuda o avesso pessimista, de que a vida é só e principalmente negro. Inspira a máxima de Simone Weil: “não é o caminho que é difícil, é o difícil que é caminho”…

JP in Educação Espiritualidade Frases 14 Junho, 2022

professor sabichão / professor fixe

O professor de Química que saiba só química não irá longe… Imagine-se um aluno do ensino básico, seja o João. O João não percebe uma dada geometria molecular. O professor sabe muito de geometria molecular, tem modelos sofisticados e estratégias encantadoras. Mas onde irá o professor se for indiferente ao facto de, ontem, o pai do João, alcoolizado, ter batido na mãe? De que servirá a sua sabedoria química sem a apreensão social e, principalmente, sem a criatividade sensível de uma aproximação ao aluno, talvez privada, expressa, porventura, na mágica expressão: «Como te posso ajudar?»… Está claro também que, do outro lado, caricaturalmente, está o (pseudo) professor de Química, que, dominando o mundo da psicologia ou da sociologia, com elegante aproximação afetiva, não sabe da ciência que está a ensinar, não se prepara e não se forma continuamente, sendo, tão só, um professor «fixe»…

JP in Educação 2 Junho, 2022

razão e afetos na escola…

A escola antiga alinhava com a máxima de que «um professor não sente», em conformidade com adágios do tipo «um homem não chora». A racionalidade higiénica terá movido, no passado, a teoria e a prática das escolas: professores e alunos, firmes e hirtos, de ambos os lados da barricada da educação, durante muitos e longos anos. Em alguns excessos do presente das nossas escolas, porém, joga-se a confusão afetiva oposta: falta racionalidade e distância crítica aos professores, às gestões escolares, aos encarregados de educação e à tutela ministerial, para atuar com firmeza racional nas muitas situações que o exigem.

JP in Educação Frases 2 Fevereiro, 2022

«aquele que teme a Deus honra os seus pais» 

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Ben-Sirá 3
«Aquele que teme a Deus honra os seus pais»

A Igreja celebra a festa da família, inspirada na própria família de Jesus. A ver pela leitura do Evangelho que se lê hoje, a família de Jesus não era isenta de tensões, de desencontros e de perdas…

O livro de Ben-Sirá apresenta-nos uma proposta de coesão familiar que marca a tradição judaico-cristã e tem grandes repercussões sociais e de organização política: “honrar os pais”.

Vamos assumir que “honrar os pais”, na sua forma mais explícita, é um apelo ainda urgente para o apoio à terceira idade, para o acolhimento dentro e fora da família dos mais frágeis, para a não descartabilidade, para o cuidado. Mais ainda, o jeito cristão de honrar Pai e Mãe supera a consideração e o sentido crítico (até as feridas) dos progenitores. Mesmo ai, o convite é para amar. Porém…

É útil, contudo, refletir sobre uma maior profundidade deste tema, sem moralismos e convocando a (holísticamente libertadora) proposta cristã.

A sabedoria da vida e a própria reflexão da ciência psicológica chamam-nos à atenção para a complexa teia familiar e para os intrincados laços, conscientes e inconscientes, das relações entre pais e filhos. Neste sentido, o de uma interpretação não só histórico-crítica mas também sistémica, os textos da Bíblia são ainda mais radicalmente não literais. Vejamos: se os pais forem bastante possessivos, castradores, chantageadores e manipuladores (e muitos assim há, mais novos ou mais velhos), não poderá ser uma libertação (para os filhos, para os pais e para as relações) romper, cortar, afastar? (apesar de ‘os ter no coração’).

Imginemos uma Mãe ou um Pai de perfil narcisista, por isso mesmo com grande potencial “deslibertador” dos filhos. Não tendo cerimónia na linguagem, para facilitar, vamos chamar a este perfil de pais (nem por isso muito raro) “monstros”. Para suavizar (…), assumamos que todos nós, pais, temos um pedaço de “monstro” dentro de nós… A pergunta, que pode inspirar muitos filhos (todos nós) e até fazer-nos refletir enquanto ajudadores de sofrimentos familiares, é esta: alimentar o monstro é honrar os pais? Não seria maior ‘honra’, para a vítima, para o perseguidor, para a relação e para o mundo, quebrar, enfrentar, colocar os pontos nos “i”s?…

É claro que o “jeito cristão” de promover estas rupturas haverá de reservar no coração um lugar de retoma, não veicular ódio, estimular o perdão. Mas nenhum destes propósitos muitos cristãos deve tanger qualquer moralismo submisso. Honrar Pai e Mãe é caminhar em família para uma verdade que liberte e tal poderá incluir assertividades agudas, definição de fronteiras e até ampliação de distâncias: críticas, relacionais, temporais e geográficas…

Para toda esta gestão não fácil das redes familiares há que fazer um discernimento contínuo, “contar armas”, avaliar sistemática e corajosamente. Muitas vezes, há uma competição de amores e muitos poderão, por exemplo, ter de “arrefecer” a atenção aos pais, para poderem responder a outras demandas, como o cuidado da conjugalidade e dos próprios filhos. Não há super-homens, nem super-mulheres, nem super-pais nem super-filhos. Em todos os casos, a honra é a procura de uma verdade que liberte…

JP in Educação Espiritualidade Textos 26 Dezembro, 2021

o mesmo de antigamente… mas sem ser à porrada…

Resumiria assim um propósito educativo, que é mais simples de enunciar do que de praticar, tal é a demanda de criatividade, firmeza, paciência, disponbilidade e bondade: “há que passar aos nossos educandos, sejam filhos ou alunos, os valores que são ancestrais, que herdamos ao longo de muitas gerações. Mas, ao contrário do que se passava antigamente (e que apetece, tantas vezes…), sem ser à porrada…”

JP in Educação 2 Dezembro, 2021

Isto já não é o que era…

Há um conflito geracional intrínseco, cuja constatação nos devia impedir, à priori, de sermos pessimistas faces à juventude. Uma expressão interessantíssima, que delicia os velhos do Restelo, nos elucida: «A nossa juventude ama o luxo, é mal-educada, zomba da autoridade e não tem nenhuma espécie de respeito pelos mais velhos. As crianças de hoje são tiranas. Não se levantam quando um ancião entra na sala, respondem aos seus pais e são simplesmente más». A curiosidade, porém, é estas palavras terem sido proferidas pelo filósofo Sócrates, há cerca de vinte e quatro séculos…

JP in Educação Frases 2 Novembro, 2021

ajuda e autonomia

Há uma tensão infinda entre ajuda e promoção de autonomia nos dinamismos pedagógicos. Se a missão do professor é, por um lado, ajudar o aluno, não é menos verdade que, quanto mais autónomo for o indivíduo, mais eficaz será a educação. Mas ninguém nasce autónomo e há que ir escolhendo a medida certa, no sentido de conseguir a maior autonomia possível. A ajuda preciosa, afinal, de pais, educadores e professores é a ajuda para a autonomia!

JP in Educação Frases 2 Setembro, 2021