Homens da Galileia, porque estais a olhar para o Céu? Esse Jesus, que do meio de vós foi elevado para o Céu, virá do mesmo modo que O vistes ir para o Céu

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Act 1, 1-11

«Homens da Galileia, porque estais a olhar para o Céu? Esse Jesus, que do meio de vós foi elevado para o Céu, virá do mesmo modo que O vistes ir para o Céu».

O Céu – escrito assim com um ‘C’ grande – supera qualquer realidade física, simbolizando uma ‘lugar-outro’, fora deste tempo e deste espaço, que nos transcende amorosamente. É verdade que nas possíveis hermenêuticas passadas e algumas ainda presentes, marcadas por uma compreensível aproximação menos sistémica, o Céu e o céu espacial se confundiam, numa cosmovisão teológica ingenuamente realista. Hoje, com vantagem para os crentes, diria, ainda que sem superioridade nem histórica nem cultural e com a mesma consciência da nossa cegueira, o Céu que importa é o da esperança. Jesus, precisamente a esperança dos cristãos, está lá e está cá, foi elevado e virá. Foi, é, será e, principalmente, está a vir, também na minha vida, também com as minhas mãos…

JP in Espiritualidade Frases 2 Junho, 2019

Deus

DEUS

Parti da aridez

do deserto.

Saltei para

o escuro.

Apostei sem ver.

Mergulhei

em mar

de dúvida.

Procurei.

Progredi apalpando

e sem sentir.

Pensei, forcei

caminhei

de olhos vendados.

Eis que caio

num banho de

mel.

Quente,

sensual,

real.

Mais óbvio que eu.

Setenta vezes

os cinco sentidos.

Certeza

Deus.

Ele, que sempre

estivera,

era mais forte

que tudo.

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Espiritualidade Poemas 22 Abril, 2019

Levar

LEVAR

Trago a

alma

leve

de tesouros

grandes

de amor!

Confiei

que morrer

era este viver

que carrega

suavemente

uma pesada cruz!

Abriram-me

uma porta

tão bela

quanto estreita,

à qual

nem sequer bati…!

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

 

JP in Espiritualidade Poemas 22 Março, 2019

Agora permanecem a fé, a esperança e a caridade; mas a maior de todas é a caridade

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se 1 Cor 12, 31

«Agora permanecem a fé, a esperança e a caridade; mas a maior de todas é a caridade»

As “trilogias” no cristianismo são muito frequentes (desde logo a centralidade no Pai, no Filho e no Espírito Santo…). Fixemo-nos nesta tão conhecida do apóstolo Paulo, “fé, esperança e caridade”. Para melhor ajuste linguista contemporâneo, podemos “traduzir” caridade por amor, e tomar esta tríade como verdadeira lupa de avaliação crítica e modo de ação. A pergunta crucial: nas minhas relações, cresce a fé, a esperança e o amor? na minha família, cresce a fé, a esperança e o amor? na minha vida, cresce a fé a esperança e o amor?… sabemos, sentimos e experimentamos, que muitas vezes, nos falta fé e esperança. Mas o ‘maior de tudo’, sempre possível de ensaiar, é o amor…

JP in Espiritualidade Textos 2 Fevereiro, 2019

Espera

ESPERA

Olho

pela janela

do quarto escuro,

aquilo que sobra da noite.

O tempo passa,

o sonho perde.

Vejo baço.

Respiro no vidro dos olhos…

 

in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas 24 Dezembro, 2018

«a vossa libertação está próxima» 

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Lc 21, 25-28.34-36
«A vossa libertação está próxima»

Começa para os cristãos católicos romanos o chamado tempo de Advento, de espera, de esperança e, em certo sentido, de preparação para os brotares do tempo. Os ciclos litúrgicos são um ritual ajudante, uma pedagogia, um convite de consciencialização comunitária para os movimentos do espaço, do tempo e do espírito. Mas estes ciclos maiores reproduzem-se no dia-a-dia. Hoje mesmo, na linha do texto proposto, provavelmente, vou viver sinais fantásticos que a natureza me oferecer, vou viver angústias interiores e exteriores, vou-me ver lançado em dilemas complexos, vou deixar-me provocar por esperanças, encontros e desencontros. Vou, com toda a certeza, fazer pontes de Páscoa, em que mortes geram vida. Portanto, o Advento, o Natal, a Quaresma, o Tempo Comum e a Páscoa, são, mais do que ciclos litúrgicos, ciclos de vida quotidiana. Preparar, vigiar e dar toques de esperança e de futuro ao que sou e ao que faço, isso é advento…

 

 

JP in Espiritualidade Textos 2 Dezembro, 2018

Presente na falta

PRESENTE NA FALTA

Pela falta

sinto-te presente.

Falta o teu

calor de sorrisos

a tua voz

de vida.

Falta o teu cheiro

perfume

as tuas mãos

delicadas.

Faltam os teus

lábios belos e

teus cabelos

de cor.

Por não estares

te sinto tanto,

e só não desato

em pranto,

por saber do

nosso amar.

Assim saboreio

com gosto

o que seria

desgosto

se não fosse

acreditar.

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas 2 Julho, 2018

Esperava tudo…

ESPERAVA TUDO…

Esperava tudo

da vida

menos sofrer

de paixão!

Esperava tudo

menos respirar

dificilmente.

Esperava tudo

da vida

menos esta partida

de não me conhecer.

Sou criança.

Não sei

escrever poemas

sem nenhum

verso de esperança.

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas

Gritar solidão

GRITAR SOLIDÃO

Grito daqui,

do antro

da solidão!

Grito os sonhos

perdidos,

despido

da história

que vi gravada

no tempo!

Grito saudade,

grito silêncio!

Grito baixinho.

Fixo-me

naquela esperança

que me esconde

o abismo

que não existe!

in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas 30 Junho, 2018

Pomba branca

POMBA BRANCA

Pomba branca

indecisa.

Nem voas, nem partes

nem ficas, nem vais.

Vejo-te

quieta nesse lugar.

Olho-te

capaz de imaginar.

Vejo-te

pomba branca

praticamente no ar.

in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas