As novidades do dia não estão… no telemóvel

Paiva, J. C. (2021). As novidades do dia não estão… no telemóvel Site Ponto SJ, 02-05-2021.

Disponível aqui

O transístor foi uma invenção muito relevante. Curto-circuitando etapas, a pequenez progressiva de todo o arsenal eletrónico permitiu-nos chegar a estes tempos em que, no nosso bolso, podem estar a internet e milhões de dados e informações (i)relevantes, a previsão do tempo e tradutores, emails, mensagens escritas e de voz, o telefone, o controlo de dispositivos em casa, o jornal e até orações. As redes sociais, com os seus prós e contras, tecem-se igualmente no telemóvel. Está ali, portanto, também, algo das nossas relações.

Entender a tecnologia em geral e o telemóvel, em particular, como uma ameaça e um subtrator civilizacional, é nostálgico e pouco fecundo. A procura do equilíbrio parece, antes, residir no ‘tanto quanto’. O fio da navalha coloca-se sempre na pergunta ética que leve a um fazer humanizante. Como químico, gosto de resumir esta tensão ao ajuste da dose. Que dose, neste caso, de telemóvel, pode tornar o aparelho e a minha relação com ele verdadeiramente tónica… e não tóxica, para mim e para os outros?

Algumas dicas quase-práticas para ‘ajustar a dose’

1) de manhã… não começar pelo aparelho…
O início da manhã é sempre uma importante rampa de lançamento do dia. Começar torto é uma porta abertíssima para caminhar torto… e acabar torto. Todos os rituais religiosos valorizam a oração da manhã. Se a vida fosse uma guerra, a oração da manhã era o apontar da artilharia. Sem ela, as munições vão cair erraticamente e podem até causar danos. Quantas vezes reconhecemos que, orientando mal matinalmente, disparamos em todas as direções… Um dos distrativos de orientação chama-se telemóvel. Começar a manhã com as notícias de última hora, com os pop-ups do email ou do WhatsApp, com os espetáculos do istragram ou até com a previsão do tempo, é movediço. Há uma novidade de manhã, que entendo como uma graça, mas que merece o seu trabalho e cuidado: acordar sem vontade de fechar logo os olhos. E uma oração, um naco de silêncio, um agradecimento, comer pequeno almoço ponderado, calmo e sem ruído, são a grande novidade do dia, que brota de dentro e à minha volta. As novidades do dia não estão no telemóvel!

2) às refeições, está desligado
Há uma regra simples e que é consensual para quem reflita minimamente sobre relações humanas, incluindo as connosco mesmos: não ligar o telemóvel durante as refeições. Desligar, colocar em silêncio, tê-lo distante… Sobra espaço para a conversa, com os outros comensais ou para comigo mesmo, para a atitude ponderada e reconhecedora da bondade dos alimentos, para o sabor. Os dedos a teclar e navegar na tela digital favorecem a voracidade do comer, subtraem-nos liberdade…

3) para o quarto é que não
Para crianças e adultos convém também defender-nos do telemóvel no quarto, local de descanso por excelência. Há formas de permitir que apenas chamadas urgentes (um familiar doente, por exemplo) deem sinal, abrindo espaço ao descanso que se procura no quarto e, sejamos humildes, telemóvel e descanso não combinam entre si…

4) proibido se alguém está a querer falar contigo
Todos nós nos espantamos – e lamentamos – um cenário muito frequente em grupos juvenis (e até infantis) em que conjuntos de pessoas estão fisicamente juntos, cada um teclando para o seu lado. Mas alguns de nós, mesmos se adultos críticos destes quadros, já experimentamos estar a teclar no telemóvel com pessoas ao nosso alcance, que desejariam falar connosco. ‘Só um minutinho’, poderemos dizer, ‘tenho uma chamada urgente’. Mas é esta urgência (mal colocada) que nos desumaniza.

5) não deixar de dar feedback
A partir do momento que temos telemóvel (resistindo a uma opção tão hippy quanto tentadora de o não ter.…) temos a obrigação de não defraudar quem nos procura. Assim sendo, SMS sem resposta, emails sem retorno e telefonemas sem chamada ou sinal de volta, são desaconselhados, no que concerne à consideração humana. A dispersão comunicacional em que vivemos pode ter este perigo: banalizar as convocatórias, não significando o toque à porta digital de quem nos procura. Diria mesmo que pode haver um toque ‘sagrado’ na solicitação, também por via eletrónica. Se é sagrado, dê-se-lhe valor e sequência… Pode haver casos de burnout, de não dar conta do recado. Talvez possa ter sentido, nessas situações, prevenir os potencias contactos de que se deixa de ter telemóvel e se atende apenas um número fixo, que só se responde a email ou outra qualquer plataforma clara e coerente que explicite o grau de abertura possível para comunicar.

6) pela positiva: que nos ajude a organizar a vida e promover contactos
Se não se pretende alimentar a visão e vivência pessimistas das inovações tecnológicas, há que sublinhar os aspetos positivos e otimizáveis associados ao telemóvel. Para além de um ‘almanaque sempre à mão’, com oportunidades de conhecimento, organização e contactos, há que potenciar esses caminhos. Numa outra intervenção escrita, gostaria de aprofundar as vantagens da organização digital na vida pessoal e comunitária, mas, para já, a título de exemplo, fica a sugestão de ampliar a eficácia de pontes com pessoas mais sozinhas, tendo uma lista de tarefas dos contactos a promover. Entre outras, esta é uma das vias solidárias – e por isso eticamente cristãs – do aparelho…

7) sentido autocrítico para uma pedagogia capaz de promover a autocontenção
Algumas das regras acima estão radicalmente entrelaçadas nos processos pedagógicos. Pais e professores sabem bem da urgência de educar para o bom uso do telemóvel. Além de tentar começar desde cedo com estas regras (tão anuídas e aceites por todos quanto possível) há que ir fomentando pela conversa, pelo comentário cultural, por várias expressões artísticas contemporâneas (cinema, artes plásticas, literatura, etc.) um sentido genuinamente autocrítico acerca do uso do telemóvel. Os alcances mais ancorados no dinamismo pedagógico serão conseguidos quando forem auto-conquistados. A meta do educador, nunca esquecendo, seria aquela de que o próprio educando interiorizasse e se apropriasse da regra, mesmo que a tivesse recebido em idade mais recuada, como uma rotina… Depois surge a criatividade e o trabalho de engendrar alternativas ao tecnológico, onde a relação com a natureza, a arte, o jogo lúdico analógico e o desporto assumem particular relevo de saída.

Está visto o diagnóstico: reconhecemos mau uso, abuso ou overdose de telemóvel. Falta ‘mãos à obra’ e, incontornavelmente, teremos de convocar alguma autodisciplina, capaz de potenciar este instrumento e esta possibilidade tecnológica, tanto quanto nos conduz para o fim amoroso da nossa existência, que não é desligar-nos, mas ligar-nos!…

PS: Recebo algumas críticas, particularmente dos que me são mais próximos e não sem razão, que me apontam um resvalar, algumas vezes, para um estilo meio professoral, excessivamente pedagógico e até com algum malabarismo estratégico de ‘querer convencer’. Reconheço essa tentação, em parte potenciada pelos ossos do ofício de ser professor. E, nesta reflexão, tenho o dever de confessar o crime. Estas palavras têm o seu quê de endireitar veredas, talvez até de ‘puxar as orelhas’ e contribuir para reorientar um menino que eu cá sei… eu mesmo!

JP in Sem categoria 4 Maio, 2021

retirou-Se para um sítio ermo e aí começou a orar

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Mc 1, 29-39

retirou-Se para um sítio ermo e aí começou a orar

Jesus tem um dia estafante… Sentiu necessidade de se retirar para rezar, escondendo-se, de tal forma que os discípulos O procuravam… Este dia de Jesus pode inspirar-nos a nós, que tantos dias estafantes vivemos. Podemos, como Ele, dedicar-nos aos doentes, doentes do corpo, doentes do espírito ou doentes de amor. Convém, contudo, não cair no ativismo, que nos esgote fisicamente para além do possível e que nos des-centre do essencial. É importante estarmos atentos ao ser e ao agir do estilo de Jesus. É bom, pois, retirarmo-nos para descansar e orar e, se for preciso, “escondendo-nos” de algumas provocações e azáfamas…

JP in Espiritualidade Frases 6 Fevereiro, 2021

é Deus que reza em nós…

Para os Cristãos, a encarnação de Deus é um momento fascinante da história da humanidade, que ainda está a acontecer… O orante coloca-se confiante e saboreando o Amor, aceitador, num pedaço de tempo, de ser a oração de Deus em si…

JP in Espiritualidade Frases 4 Dezembro, 2020

o sagrado e a 1-2-3 picadora moulinex…

Tudo o que nos acontece, por dentro e por fora, é sagrado em potência. Para ser verdadeiramente fecundo, esse tudo que nos acontece de potencialmente sagrado tem de ser: 1-encarado, 2-interpretado e 3-integrado. Não é uma picadora moulinex 1-2-3 mas o seu oposto, pois precisa de tempo e de silêncio…

JP in Sem categoria 8 Setembro, 2020

luta e interioridade

A nossa vida interior tem algo de luta. Se assim for, a oração é um convite a pousar as preocupações, como o guerreiro pousa o arco e a flecha… e se rende…

JP in Espiritualidade Frases 4 Agosto, 2020

respiração, meditação e árvores

A meditação, de índole religiosa ou não, tem uma relação incontornável com o ritmo da respiração.  O dinamismo do “ar que entra / ar que sai” pode ser acompanhado de várias metáforas interiores, que ajudam o meditante a voltar à auto-percepção. Em particular, aprecio e uso a imagem da árvore, numa dicotomia de estrutura e fluidez: sou tronco firme com raízes (ar que entra) e circulação dinâmica com vida e morte das folhas (ar que sai)…

JP in Espiritualidade Frases 26 Março, 2019

prece…

Rezo, pois, em silencioso grito, para que todos saibamos colher o momento presente, crescer com o que aconteça, tomar a responsabilidade dos nossos atos, abrir os nossos olhos e a inteligência ao discernimento que nos possa fazer boas escolhas, face aquilo que está nas nossas mãos (uma minúscula parte do dinamismo da
realidade).

Pró-ativos mas em paixão (passiona, passivos, em aceitação…), assim, abertos à graça, saboreamos já aperitivos de paraíso, sem pedinchar quase que manipulativamente uma intervenção mágica que Deus, omni(im)potente, por mistério amoroso, parece não apreciar…

2013

JP in Espiritualidade Frases 28 Julho, 2018