o deserto é caminho

Uma das teimas existenciais mais inconsequentes é sacudir os troços de deserto como uma birra. É que o deserto faz parte do trajeto, pode fazer-se com companhia e tem o seu ritmo e sabor…

JP in Espiritualidade Frases 18 Novembro, 2019

Espera

ESPERA

Olho

pela janela

do quarto escuro,

aquilo que sobra da noite.

O tempo passa,

o sonho perde.

Vejo baço.

Respiro no vidro dos olhos…

 

in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas 24 Dezembro, 2018

Presente na falta

PRESENTE NA FALTA

Pela falta

sinto-te presente.

Falta o teu

calor de sorrisos

a tua voz

de vida.

Falta o teu cheiro

perfume

as tuas mãos

delicadas.

Faltam os teus

lábios belos e

teus cabelos

de cor.

Por não estares

te sinto tanto,

e só não desato

em pranto,

por saber do

nosso amar.

Assim saboreio

com gosto

o que seria

desgosto

se não fosse

acreditar.

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas 2 Julho, 2018

Espera

ESPERA

Olho

pela janela

do quarto escuro,

aquilo que sobra

da noite.

O tempo passa,

o sonho perde.

Vejo baço.

Respiro no vidro

dos olhos…

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas

O último poema da paixão

O ÚLTIMO POEMA DA PAIXÃO

Desejo escrever

com uma pena leve

e tinta de raiva,

o último poema

da paixão.

Quando o tempo

é longo,

ouve-se a voz

que muda a rota

da gaivota.

Destino diferente

um porto perdido.

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas

Gosto do desgosto

GOSTO DO DESGOSTO

Não gosto

do desgosto

que provoca

quem não gosta

do que gostava antes.

Como se fosse ilusão

o gosto que se gostou

de que brotou o desgosto

do gosto da solidão.

Gosto do gosto da vida

mais que do desgosto

do gosto

por quem não está decidida

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas

São João

São João

 

Vi dançar o meu amor

Na noite de São João

Enfeitei a minha dor

De dançar com a solidão

 

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas

Queima da fitas

QUEIMA DAS FITAS

Chegaram

cheios de momentos.

Mortos de cansaço.

Despejaram a vontade

no prazer do tempo.

Bufavam fraquezas

de alma vazia.

Não esperaram

por mais

qualificada gratificação.

Verteram na

cerveja

golos de solidão.

Entornados,

abraçavam

o vazio.

in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas 30 Junho, 2018

Gritar solidão

GRITAR SOLIDÃO

Grito daqui,

do antro

da solidão!

Grito os sonhos

perdidos,

despido

da história

que vi gravada

no tempo!

Grito saudade,

grito silêncio!

Grito baixinho.

Fixo-me

naquela esperança

que me esconde

o abismo

que não existe!

in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas

solidão

SOLIDÃO

Estou sozinho

com meio coração

pendurado

no destino.

Não escondo

a tentação.

Tenho ar para respirar.

Tenho tudo

agora, aqui

neste lugar!

in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

 

JP in Poemas 28 Junho, 2018