para vós, Senhor, levanto os meus olhos

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Slm 122

para vós, Senhor, levanto os meus olhos

Aquilo que nós somos e fazemos tem muito a ver com o que vemos… No sentido inverso, é também verdade que as nossas ações influenciam a forma como vemos o mundo. Muitas vezes, não vemos bem e é um gesto de amor ou um mergulho na caridade que nos abre os olhos. De manhã, quando acordamos, a luz invade as nossas pálpebras e desperta-mos para o dia. Para quem levantamos os nossos olhos? Inspirados no salmo e embalados por uma fé que experimenta o suporte de um amor que nos cria e acolhe, vamos treinando o olhar. Que seja, neste sentido, um olhar para o Senhor, para um Cristo de braços abertos que nos chama a um dia vivido, intensa e significativamente na Sua companhia.

JP in Espiritualidade Frases 4 Julho, 2021

espanto

É este espanto-milagre que salva. Definitivamente, por graça-dádiva, as grandes viagens são interiores e não dependem de geografias, meteorologias e outras acidentalidades…

JP in Espiritualidade Frases 28 Junho, 2021

levanta-te e anda

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Mc 5, 21-43

levanta-te e anda

O “levanta-te” de Jesus, serve de inspiração para as pequenas mortes do dia-a-dia, para as pequenas ou grandes quedas da vida. Viver em harmonia com o ressuscitado é sentir o segredar da sua voz, que em cada aparente fatalidade nos sussurra: “levanta-te e anda”. Por isto se diz que os santos não são os que não caem mas os que se sabem levantar, que escutam esta palavra de Jesus e colocam os meios para a traduzir em vida recomeçante. As curas de Jesus realizam-se num quadro de fé e confiança (“se tiveres fé…” – diz Jesus ao chefe da Sinagoga). Há um carácter desdramatizador do cenário, da parte de Jesus, que nos pode ajudar, na vida como na morte. É quase uma comédia ver o amor onde ele não é óbvio mas é, para nós, o caminho. É pela fé que podemos chamar adormecimento à(s) morte(s)…  

JP in Espiritualidade Frases 26 Junho, 2021

até o vento e o mar Lhe obedecem

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Mc 4, 35-41

Até o vento e o mar Lhe obedecem

Jesus está tranquilamente com a cabeça numa almofada enquanto
a tempestade assusta os homens. Acordado pelos Seus discípulos, manda parar o vento mas aproveita para apelar, não ao facto extraordinário de acalmar a natureza, mas sim à falta de fé dos seus companheiros. Eles não entendiam ainda que bastava estar com Ele. Por vezes, ocorre-nos também o desejo de um “deus bombeiro”, que aparece quando é preciso para nos superproteger dos problemas, dos desafios da vida. Parece que não é esse o Deus de Jesus Cristo. O mais importante, sublinha-se nesta parábola, é a fé. Naquele tempo, como hoje, mesmo experiências extraordinárias como parar o vento, não chegam para a revelação. É sempre preciso a fé dos homens… graças a Deus!

JP in Espiritualidade Frases 20 Junho, 2021

feridas

As feridas, as minhas e as dos outros, podem magoar e até esmagar. Não há alternativa: para amar as feridas tenho de me aproximar delas. Mais, tenho que lhes tocar…

JP in Espiritualidade Frases 18 Junho, 2021

dádiva

A dádiva, no seu sentido mais profundo, não inclui, do lado de quem a recebe, uma lógica de menu: ao recetor da dádiva não compete escolher mas, tão só, acolher.

JP in Espiritualidade Frases 14 Junho, 2021

a alma e a relação

A alma, porventura e sem complexos «incorporada», estará para durar, como conceito. Talvez os estudos de Damásio e outros equivalentes «empurrem» a teologia para não dicotomizar o corpo e a alma. A alma sinaliza, para os crentes, a capacidade de reconhecer o criador. Para os católicos, o Deus trinitário (Pai, Filho e Espírito Santo) sublinha a crucialidade da relação. O próprio Deus «é relação». A alma de cada ser humano, que espelha o criador, reflecte-se na relação fraterna com todos os outros e com um Deus pessoal.

JP in Espiritualidade Frases 10 Junho, 2021

alguns, porém, duvidaram

Na liturgia católica romana deste fim de semana escuta-se Mt 28, 16-20

alguns, porém, duvidaram

Em dia de celebração cristã da Santíssima Trindade o texto de Mateus traz-nos também o dinamismo da dúvida nos apóstolos. Não há fé sem dúvida como não há realização sem desejo. O reconhecimento da dúvida nas questões pessoais e face à própria transcendência é de grande importância. A caricatura da ausência de dúvida e risco, na vida, como na fé, é uma existência categórica e rígida, normalmente pouco empática. A assunção da dúvida, por seu lado, gera abertura e crescimento, consciência de fragilidade, anotação da carência de luz e humildade. É nessa base que se pode então acreditar e viver acreditando. Ter dúvida não significa a perda de convicção e sentido. Pai, Filho e Espírito Santo, em circularidade amorosa, podem ser esse sentido, podem ser luz para cada um.

JP in Espiritualidade Frases 30 Maio, 2021

cuidando…

Diz Melloni que as religiões podem tornar-se indigestas – não só indigestas mas sumamente perigosas… Para revitalizar o fenómeno religioso há que o recolocar como um chamamento de “esperançadores”, geradores de esperança. Mas a semente disso é o amor que chama, o útero que carrega, a mama que alimenta e tudo o que cuida. Para os crentes, Deus é o “esperançador-Mor”, que opera, cuidando, com as nossas mãos…

JP in Espiritualidade Frases 28 Maio, 2021

discernimento, ciência e filosofia

O discernimento espiritual, enquanto processo de escolha e clarificação, vale como instrumento de vida. Associo-lhe duas analogias: uma científica e outra filosófica. Conhecer ao modo das ciências exatas é como que discernir, isto é, separar para compreender (que o digam os químicos, nos seus processos analíticos, quando separam e “dissecam” a radiação que vem das amostras, precisamente para alcançar o seu conteúdo…). Por outro lado, é um positivo vício filosófico clarificar os termos para não baralhar… Evitar confundir, em suma, é uma marca do discernimento, do processo científico e do dinamismo filosófico.

JP in Espiritualidade Frases 26 Maio, 2021