Nietzsche e a contemplação

Friedrich Nietzsche escreveu, em Humano, Demasiado Humano (1878), que “talvez as prioridades dos nossos tempos acarretem um retrocesso e uma eventual depreciação da vida contemplativa”. É curioso que o ‘filósofo ateu’ sinta a nostalgia da contemplação. Ontem como hoje, há uma sede de um outro olhar universal e talvez místico, em cada um de todos os humanos que se interrogam…

JP in Frases 30 Março, 2020

Belo

 

BELO

O belo

é belo!

por tão

belo ser,

quase

transforma

o que é não belo

no belo

do amanhecer.

Quando

o belo

é belo

como

deve ser,

o belo

pode nascer.

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

 

JP in Poemas 22 Agosto, 2019

Praia de Mira

PRAIA DE MIRA

O farnel

está protegido

na sombra

constante

da barraca.

A maioria

está vestida

e, arregaçando-se

lança a aventura

de molhar os pés.

Alguns homens

trazem marcado

no corpo nu

as alças brancas

do trabalho.

Quantas mulheres

com lenços escuros

destacando rostos

de simplicidade.

Mas o mais belo

desta tarde

foi ver sentido

naquilo que,

outrora, míope,

chamei parolos…

…in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas 2 Julho, 2018

O que são as borboletas

O QUE SÃO AS BORBOLETAS?

As borboletas

são papéis

de cores vivas.

São pétalas

voadoras

disfarçadas

de asas coloridas.

As borboletas

são retalhos

de arco-íris,

pedaços de beleza,

fragmentos

do sorriso

de Deus!

in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Espiritualidade Poemas 30 Junho, 2018

O que importa

O QUE IMPORTA

O que importa

aferir

as culpas

deste naufrágio?

O que importa

saber

o porquê

da tempestade?

O que importa

conhecer

os pormenores

deste quadro

bonito,

visto de longe?

O que importa

salientar

os nós deste tapete

que resultam

num alegre bordado?…

in Paiva, J. C. (2000), Este gesto de Ser (poesia), Edições Sagesse, Coimbra.

acessível aqui

JP in Poemas