interpretação da Bíblia e Igreja

O Concílio de Trento, iniciado em 1545, reafirmou a autoridade da Igreja Católica na interpretação da Bíblia, mas o texto do decreto conciliar é bastante genérico e até mesmo ambíguo. Os padres conciliares decretaram que ninguém se deveria permitir «interpretar a Sagrada Escritura, nas matérias de fé e de moral, que pertencem ao edifício da doutrina cristã, distorcendo a Sagrada Escritura segundo o seu modo de pensar, contrário ao sentido que a santa mãe Igreja determina». O texto conciliar não especificou, porém, critérios suficientemente precisos para a definição, por exemplo, de uma questão como sendo de fé ou de moral, nem entrou em pormenores sobre o difícil problema de decidir quando se deveria interpretar a Escritura em sentido literal ou em sentido metafórico.

Desde a tradição medieval que é comum distinguir quatro sentidos possíveis no texto bíblico, a saber: 1) histórico ou literal, 2) alegórico ou cristológico, 3) tropológico ou moral e antropológico, e, finalmente, 4) anagógico ou escatológico.

A tradição hermenêutica é, pois, bem longínqua na história da Igreja. Conhecem-se dois extremos caricaturais, em traços deixados ao longo do tempo e ainda hoje presentes: de um lado, uma visão restritiva e estaticamente ortodoxa da autoridade da Igreja na interpretação bíblica e, do outro lado, uma personificação originalista, que não tem em conta a riqueza da tradição, nem a procura duma expressão comunitária de afirmar dinamicamente as verdades da fé. Caminhamos, ainda hoje, nesta tensão…

JP in Espiritualidade Frases 10 Julho, 2020

teologia escolástica e teologia literária

A escolástica tem papel fundamental na procura dialética entre fé e razão. Sem esquecer outros nomes, destaca-se São Tomás de Aquino, cujo legado é importantíssimo e insubstituível. Sem descurar nem relevar a escolástica (que até é mais uma metodologia do que uma teologia…) será muito difícil não valorizar nos nossos dias uma teologia literária. A Bíblia e a sua exegese, pela via literária, é, assim, radicalmente inspiradora e alavancadora de uma fé com sentido.

JP in Espiritualidade Frases 26 Novembro, 2019

espiralidade bíblica…

É impressionante como as temáticas bíblicas se aprofundam em espiral e se revisitam e se redizem sucessivamente. Muitas vezes, particularmente nos Evangelhos, certa passagem diz-nos, por via de um aparente detalhe, todo o Evangelho. Em certo sentido, se quiséssemos saber dos critérios de Jesus, sem prejuízo de um necessário olhar sistémico, bastaria olharmos a forma como lava os pés aos discípulos, como liberta (e nos liberta…) a mulher adúltera, como se acolhe o filho pródigo ou como se paga ao trabalhador de última hora…

JP in Espiritualidade Frases 26 Junho, 2019

Bíblia e historicidade

Moisés, por exemplo, não é considerado absolutamente simbólico e mítico (como Eva, Caim ou Noé) embora a sua historicidade seja polémica, localizando-se, contudo, nos séculos XIII-XIV a.C. Há uma tensão bíblica ‘historicidade-literatura-simbolismo’, de alguma forma equivalente à tensão ‘fisicalidade-simbolismo’, em toda a chamada “história da Salvação”. A Bíblia não é, com toda a certeza, algo “caído do céu aos trambolhões”. Também não é, para os crentes, apenas mais um livro de histórias. São livros (um plural importante…) que contêm a semente de um dinamismo de revelação, que carece sempre da leitura da fé, para o encontro com a fé…

JP in Espiritualidade Frases 8 Abril, 2019

Bíblia e texto

A Bíblia não é para ser lida literalmente, como, em verdade, quase nenhum texto (nem talvez o científico e nem mesmo o jurídico, em bom rigor…). A palavra texto tem cumplicidades com têxtil, fazendo lembrar os fios que se entrelaçam, as histórias que se apresentam, as mensagens que se insinuam. Tudo envolvido na subjetividade de quem tece, de quem escuta e de quem vive as palavras, assim vivas…

JP in Espiritualidade Frases 10 Outubro, 2018